BULIMIA – O QUE É, SINTOMAS, TRATAMENTOS, CAUSAS

BULIMIA – O QUE É, SINTOMAS, TRATAMENTOS, CAUSAS

BULIMIA – O QUE É, SINTOMAS, TRATAMENTOS, CAUSAS
5 (100%) 1 voto[s]

Os transtornos alimentares, como a bulimia, começaram a ganhar uma visibilidade maior nos últimos 20 anos, embora saibamos que de certa forma eles sempre existiram, porém com menor incidência e certamente sem receber a atenção e tratamentos devidos. Entre os transtornos mais conhecidos e também mais graves está a bulimia, uma doença de caráter psicológico e que infelizmente pode demorar muito até que seja descoberta.

Se você tem dúvidas a respeito dos sintomas, tratamento e características da bulimia, leia este artigo na íntegra e entenda um pouco mais sobre este transtorno.

Bulimia: O que é?

A bulimia é um transtorno alimentar caracterizado por um consumo exagerado e compulsivo de alimentos, imediatamente seguido por sentimentos de culpa, fraqueza e desespero que levam o paciente a buscar formas de eliminar o que foi ingerido. As formas mais comuns de fazer esta compensação são através de medicações laxativas, diuréticas, exercícios, jejum e o mais comum, através do vômito.

Não é incomum que indivíduos com bulimia utilizem todas estas técnicas simultaneamente, o que de certa forma faz com que a bulimia se assemelhe bastante a outro transtorno alimentar bastante conhecido, a anorexia.  

Entretanto, a grande diferença entre ambas são os episódios de compulsão alimentar seguidos de vômitos. Em outras palavras, o bulímico come e pode até parecer bastante normal aos olhos dos conhecidos, enquanto o anoréxico evita ao máximo se alimentar.

Público Alvo da Bulimia

Embora a bulimia seja uma doença que pode acometer qualquer pessoa, existem dois grupos onde a maioria dos casos acontece: mulheres e adolescentes.

No caso das mulheres, não é muito difícil imaginar o motivo. Apenas pelo fato de ser mulher a cobrança social já é bem elevada. Além de serem muito cobradas para serem boas mães, profissionais e esposas, as mulheres recebem muitas críticas e expectativas quanto a sua beleza, peso e alimentação.

E essa cobrança generalizada não vem apenas dos meios de comunicação e mídias sociais, mas também da família, amigos e muitas vezes até do parceiro da mulher. Muitas acabam não suportando as críticas e comparações e acabam desenvolvendo um relacionamento desequilibrado com a sua autoestima e alimentação, o que é um gatilho para o aparecimento da bulimia.

Já os adolescentes (que são a maioria dos pacientes bulímicos), entendem como uma necessidade estar dentro dos padrões estabelecidos pela sociedade para serem aceitos e enfrentam questões relacionadas ao futuro ainda incerto na vida adulta que começa a parecer mais próxima de sua realidade. Por serem ainda emocionalmente imaturos para lidarem com tanta informação, os adolescentes são o grupo de risco para desenvolvimento deste transtorno alimentar.

Sintomas da Bulimia

Como mencionado anteriormente, a pessoa com bulimia parece se alimentar normalmente aos olhos dos amigos e familiares (os episódios de compulsão costumam acontecer quando o indivíduo está sozinho) e quase sempre se encontra com peso dentro da normalidade para sua altura, ou com leve sobrepeso.

Isso faz com que o bulímico viva no ciclo vicioso de comer e vomitar durante meses até que alguém próximo note e busque ajuda. Por essa razão, é fundamental que se esteja atento para não deixar escapar nenhum dos sinais característicos da doença. Conheça os principais:

  • Ingestão exagerada de doces, sorvetes, bolos e alimentos calóricos (sempre de forma isolada – é muito comum mães encontrarem potes com doces e embalagens vazias escondidas no quarto do adolescente, por exemplo);
  • Perda de controle na hora de se alimentar ou comer até sentir dor ou indisposição com frequência;
  • Ir ao banheiro imediatamente após as refeições;
  • Vômitos constantes;
  • Uso de medicações laxativas e/ou diuréticas (principalmente após comer);
  • Excesso de exercícios físicos;
  • Medo e preocupação excessiva de ganhar peso;
  • Dedo indicador mais fino que os demais (é comum que o dedo indicador seja utilizado com frequência para forçar o vômito, o que acaba causando o afinamento).

Complicações Clínicas da Bulimia

Como é de imaginar, a combinação de técnicas tão agressivas ao corpo causa diversas desordens na saúde do doente, e não é incomum que a doença seja descoberta após uma internação médica por conta de complicações de saúde causada por ela.

Os principais problemas desenvolvidos são:

  • Desidratação;
  • Lesões no esôfago e refluxo esofágico constante;
  • Constipação;
  • Dentes danificados devido ao contato com o ácido do estômago;
  • Deficiência de potássio;
  • Depressão e isolamento;
  • Insônia.

Tratamento para Bulimia

É indispensável que o indivíduo com bulimia seja acompanhado por uma equipe multidisciplinar, onde todos tratam o paciente baseado na melhor estratégia para cada caso. Geralmente, 3 profissionais trabalham junto no processo de cura: médico, psicólogo e nutricionista.

Médico: Este profissional é responsável por fazer a avaliação médica do paciente e indicar possíveis medicações necessárias. Geralmente, são indicados algumas medicações como Omeprazol e Plazil para diminuir a acidez do estômago e otimizar a digestão. Alguns antidepressivos também costumam ser indicados para tratar a ansiedade e depressão.

Psicólogo: Visto que a bulimia é uma doença ligada a problemas psicológicos, este profissional tem um grande peso na cura do paciente. O psicólogo avalia o caso do doente e indica a terapia mais adequada, podendo ser Terapia Cognitivo-Comportamental, Psicoterapia interpessoal ou outra alternativa que o profissional ache pertinente. É comum, no entanto, que mais de um tipo de terapia seja utilizada até que o paciente consiga chegar à cura, dependendo sempre do estágio da doença e gravidade do caso.

Nutricionista: O nutricionista é de extrema importância no processo de cura, pois ajudará o paciente a reestabelecer uma relação saudável com o corpo e com a comida. É importante, no entanto, que o nutricionista tenha muita paciência e clareza na hora de passar informações para o bulímico, além de praticar uma abordagem diferente para este público. É fundamental que um laço de confiança se estabeleça com o paciente, a fim de facilitar a adesão do mesmo às estratégias propostas.

O tratamento para bulimia tende a ser um processo doloroso e longo, onde o paciente enfrenta todos os seus medos e inseguranças, por esse motivo é fundamental que ele tenha uma rede de apoio familiar e no seu ciclo de amizades, para que o processo não seja tão penoso.

Processo de Cura para Bulimia

Apesar de ser uma doença bastante grave, a bulimia felizmente tem cura. Obviamente, o tratamento deve ser seguido corretamente, mas, além disso, existem algumas dicas a serem seguidas que ajudam o paciente a se manter forte e no caminho certo para a cura! Veja algumas:

  • Seja paciente: O processo é demorado mesmo, não fique frustrado por não ter se curado rapidamente. Comemore cada dia que você se manteve forte e em busca da cura!
  • Não se cobre exageradamente: Saiba que talvez recaídas aconteçam, e isso é normal. Retome os seus cuidados e informe SEMPRE os seus médicos.
  • Distraia-se: Busque novos ares, conheça novas pessoas, aproveite a companhia dos familiares e amigos e evite o isolamento.
  • Descubra um novo Hobby: Algo que você sinta prazer em fazer e que faça você se reconectar com sua essência. Pintura, desenho, dança, escrita… Deixe sua imaginação fluir e aproveite este momento com você mesmo!
  • Evite “burlar” as orientações dos profissionais de saúde: É normal que você não sinta vontade de seguir algumas orientações ou sinta medo que elas não funcionem com você, mas persista! Elas foram elaboradas especialmente para o seu caso e irão te ajudar a ficar saudável e curada!

Referências:

x'