Tireoidite de hashimoto – Sintomas, diagnósticos, tratamentos, dieta

Tireoidite de hashimoto – Sintomas, diagnósticos, tratamentos, dieta

Tireoidite de hashimoto – Sintomas, diagnósticos, tratamentos, dieta
5 (100%) 1 voto[s]

A Tireoidite de hashimoto é uma glândula que controla o metabolismo do organismo, ela age no controle de músculos, coração e função digestiva. A Tireoidite de hashimoto é uma doença autoimune, ou seja o sistema imunológico do indivíduo afetado passa a reconhecer as células saudáveis da Tireoidite de hashimoto como ameaça. A partir disso, ao sofrer as ações do sistema imunológico (destruição das células), a tiroide inflama e apresenta um aumento de tamanho desta glândula que está localizada no pescoço. A tireoide de hashimoto pode causar hipertiroidismo e hipotiroidismo. Para você aprender sobre a tireoide de hashimoto saiba quais são os sintomas, como é feito o diagnóstico e como é o tratamento. Tire outras dúvidas sobre a Tireoidite de hashimoto .

Essa doença pode ocorrer em qualquer idade ou gênero, entretanto ela atinge mais as mulheres em idade entre 30 e 50 anos. A hereditariedade genética é um fator que facilita o surgimento da doença, visto que ela costuma atingir pessoas de uma mesma família. No Brasil e outros países ela pode ocorrer com frequência devido ao iodo no sal. Ela não é transmissível. Outras doenças autoimunes que envolvem outras glândulas podem facilitar o surgimento da Tireoidite de hashimoto de hashimoto, bem como o excesso ou falta de iodo, a infecção por vírus ou bactérias e estresse. Além dessas, outras causas são desconhecidas da ciência. Por isso, se você tiver casos dessa doença na família conscientize os outros familiares para  que eles também se previnam dela.

São tipos de Tireoidite de hashimoto : a tireoide sub-aguda que consite em um processo inflamatório por infecção viral não relacionado ao sistema imunológico; a tireoide pós-parto ocorre aproximadamente entre 5% e 10% das mulheres no período de alguns meses após o parto; a tireoide silenciosa ocorre com maior frequência na infância; a tireoide crônica ou tireoide de hashimoto distrói o tecido tireoidiano e a tireoide fibrótica caracterizada por um distúrbio fibroinflamatório raro e está relacionada a problemas intestinais. A tireoide de hashimoto é a mais comum entre os tipos.

Sintomas – Inchaço no pescoço, aumento de peso e fraqueza

No início da doença, ela pode se apresentar sem dor. O indivíduo com a Tireoidite de hashimoto nesse estágio poderá sentir apenas o inchaço de parte do pescoço. Porém, quando os sintomas começam a aparecer, podem ocorrer aumento de peso, fraqueza, rigidez nas articulações, pele fria e pálida, pouca tolerância ao tempo frio, inchaço no pescoço, rosto inchado, excesso de hemorragia na menstruação, cabelos e unhas fragilizados, diminuição da voz e ansiedade. Se você apresentar esses sintomas procure o médico e comece a cuidar da sua saúde e alimentação.

Diagnóstico – Exame de sangue para diagnosticar a Tireoidite de hashimoto

O médico endocrinologista ou clínico geral é quem faz o diagnóstico da tireoide de hashimoto. Este consiste na realização de um exame de sangue (anti TPO e exame TgAB) onde se observa a presença de anticorpos antitireoidianos e a quantidade de T3, T4 e TSH. Visto que o organismo doente não produz os hormônios T4 e T3. O ultrassom, o exame FNA, que consiste em aspiração, e ecografia também podem ser solicitados pelo médico.

Mesmo com a presença de anticorpos antitireoidianos, algumas pessoas não apresentam sintomas. Esses pacientes não precisam de tratamento.

Tireoidite de hashimoto

Tratamento – O tratamento com hormônios da Tireoidite de hashimoto

O tratamento da tireoide de hashimoto é feito com hormônios e dura aproximadamente 6 meses. Ele é indicado quando o paciente apresenta os sintomas ou quando o exame de sangue indica que a quantidade de TSH está alterada. Um dos hormônios utilizados é a levotiroxina (hormônio tireoidiano). A dosagem varia de acordo com a idade o peso e outros fatores. A maioria dos pacientes precisa de reposição hormonal por toda vida. Pois a tireoide não tem cura. Não se automedique, consulte um médico, pois existem algumas contraindicações.

O acompanhamento médico consiste em avaliações do tamanho da glândula e novos exames de sangue. A falta de tratamento pode levar o organismo a desenvolver insuficiência cardíaca, além de perda de libído e déficit cognitivo. A insuficiência cardíaca pode ocorrer devido a baixa produção de hormônios tireoidianos permitirem aumento do colesterol ruim. Além disso, bebês podem nascer com deformações quando as mães não se tratam da tireoide de hashimoto.  Por isso, siga corretamente o tratamento indicado pelo médico.

Uma cirurgia pode ser necessária para a retirada do bócio (inchaço), quando ele não regride ou quando há risco de tumor.

A alimentação contribui com a melhora do paciente e com a evolução do tratamento. Alimentos com zinco e selênio são os indicados, por exemplo, a castanha do pará fornece esses nutrientes. O atum, o salmão e o abacate fornecem gorduras saudáveis. Além disso, o Iodo encontrado na gema do ovo, no leite ou em frutos do mar. Outros nutrientes são: o complexo B, encontrado na banana, batata e fígado; a tirosina encontrada no peito de peru e iorgute e cálcio encontrado em vegetais escuros e leite. Evite alimentos com soja e glúten. Você também pode complementar sua dieta com suplementos alimentares.

Você aprendeu sobre a tireoide de hashimoto. A tireoide de hashimoto é uma doença autoimune que atinge células saudáveis da glândula tireoide localizada no pescoço. As pessoas que apresentam os sintomas devem se conscientizar e se tratar para que a doença seja controlada e o indivíduo afetado tenha uma vida normal. Por isso, compartilhe esse artigo em suas redes sociais e conscientize outras pessoas sobre a doença tireoide de hashimoto.

Referências:

x'